jusbrasil.com.br
14 de Outubro de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJ-SC - Recurso Especial : 00057788620168240020 Criciúma 0005778-86.2016.8.24.0020 - Inteiro Teor

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ-SC__00057788620168240020_88f3d.pdf
DOWNLOAD

ESTADO DE SANTA CATARINA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Recurso Especial n. 0005778-86.2016.8.24.0020/50000, de Criciúma

Recorrente : Willian Candido

Advogado : Ederson Luiz Leal (OAB: 22578/SC)

Recorrido : Ministério Público do Estado de Santa Catarina

Proc. de Just. : Fábio Strecker Schmitt (Procurador de Justiça)

Interessado : Elias Rodrigues Francisco

Advogado : Ernesto Rupp Filho (OAB: 12110/SC)

Interessada : Tamires de Oliveira

Advogado : Juliano Inácio Fortuna (OAB: 43928/SC)

DECISÃO MONOCRÁTICA

Willian Candido, com fulcro no art. 105, III, a, da Constituição da Republica Federativa do Brasil de 1988, interpôs recurso especial contra acórdão da Quarta Câmara Criminal, que, à unanimidade, negou provimento ao apelo defensivo, mantendo a condenação pelo cometimento dos delitos previstos nos arts. 33, caput, e 35, caput, da Lei n. 11.343/06, 180 do Código Penal e 16, parágrafo único, III, da Lei n. 10.826/03, à pena de 13 (treze) anos de reclusão, em regime fechado, além do pagamento de 1.320 (um mil, trezentos e vinte) dias-multa (fls. 1.852-1.872 dos autos principais).

Em síntese, invocou ofensa ao comando dos arts. 155, 157, 245, § 4º, 564, IV, e 573, todos do CPP (fls. 01-30 do incidente n. 50000).

Apresentadas as contrarrazões (fls. 164-170 do incidente n. 50000), vieram os autos conclusos à 2ª Vice-Presidência.

É o relatório.

De plano, adianta-se que o recurso especial não reúne condições de ascender à Corte de destino.

1. Alínea a do art. 105, III, da CRFB/88 :

1.1 Da alegada violação aos arts. 155, 157, 245, § 4º, 564, IV, e 573, todos do CPP :

Inicialmente, cabe ressaltar, que inexiste discussão pretérita a respeito

ESTADO DE SANTA CATARINA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

dos dispositivos assinalados acima, o que faz incidir os enunciados sumulares 282 e

356 do STF, por analogia: É inadmissível o recurso extraordinário, quando não

ventilada, na decisão recorrida, a questão federal suscitada"; e"O ponto omisso da

decisão, sobre o qual não foram opostos embargos declaratórios, não pode ser

objeto de recurso extraordinário, por faltar o requisito do prequestionamento".

Veja-se:

"PENAL E PROCESSUAL PENAL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. HOMICÍDIO CULPOSO. CÓDIGO NACIONAL DE TRÂNSITO. PENA PECUNIÁRIA. TESE DEFENSIVA. PREQUESTIONAMENTO. AUSÊNCIA. SÚMULAS 282 E 356 DO STF. REEXAME DE PROVAS. SÚMULA 7/STJ.

I - O Tribunal de origem não se manifestou acerca da tese suscitada pela defesa nas razões do recurso especial - "as penas restritivas de direito são um benefício ao réu, de modo que aplica-la em patamar inalcançável pelo réu é o mesmo que manda-lo diretamente para a prisão, sem chance de cumprir a prestação alternativa" (fl. 228). Tampouco foram opostos embargos de declaração para suprir a alegada omissão. Tal circunstância impõe a aplicação das Súmulas 282 e 356 do STF.

[...]Agravo regimental não provido."(AgRg no AREsp 957.898/MS, rel. Min. Félix Fischer, j. em 08/08/2017) [grifou-se]

"PENAL E PROCESSO PENAL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. TEMAS RELACIONADOS À VIOLAÇÃO AOS ARTS. 155, 159 E 619, TODOS DO CPP, 59, 61, II, B, 65, I, E 155, § 4º, I E IV, TODOS DO CP. AUSÊNCIA DE IMPUGNAÇÃO AOS FUNDAMENTOS DA DECISÃO AGRAVADA. SÚMULA 182/STJ. VILIPÊNDIO AO ART. 42, § 2º, DO CP. TESE JURÍDICA. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. SÚMULAS 282/STF E 356/STF. DIVERGÊNCIA JURISPRUDENCIAL. ARTS. 255/RISTJ E 1.029, § 1º, DO CPC/2015. INOBSERVÂNCIA. AGRAVO REGIMENTAL PARCIALMENTE CONHECIDO, E NESSA EXTENSÃO, NÃO PROVIDO.

[...] 2. Para que se configure o prequestionamento, há que se extrair do acórdão recorrido pronunciamento sobre as teses jurídicas em torno dos dispositivos legais tidos como violados, a fim de que se possa, na instância especial, abrir discussão sobre determinada questão de direito, definindo-se, por conseguinte, a correta interpretação da legislação federal. (AgRg no AREsp 454.427/SP, Rel. Min. LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA TURMA, DJe 19/02/2015)"[...] (AgRg no AREsp 1.047.045/SP, relª. Minª. Maria Thereza de Assis Moura, j. em 16/05/2017)

Não fosse isso, percebe-se que o recorrente pretende, na verdade, sua

absolvição pelos delitos que lhe foi imputado, na medida em que sua condenação

está lastreada nos depoimentos dos policiais – totalmente contraditórios –, bem

ESTADO DE SANTA CATARINA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

como nas demais provas, totalmente frágeis, acostadas aos autos.

Ao decidir a quaestio, a Câmara de origem assentou (fls. 1.869-1.871

dos autos principais):

"Em tempo, outrossim, conquanto pretenda a defesa relativizar o testigo dos policiais civis que efetuaram a abordagem, vê-se precioso destacar o entendimento há muito já consolidado no âmbito das Cortes pátrias no sentido de que o "depoimento prestado por policial militar não pode ser desconsiderado ou desacreditado unicamente por conta de sua condição funcional, porquanto revestido de evidente eficácia probatória; somente quando constatada a má-fé ou suspeita daquele, pois, é que seu valor como elemento de convicção estará comprometido" (AC n. 2013.052121-2, rel. Des. Paulo Roberto Sartorato, j. 12.11.2013), razão pela qual "[...] deve-se entender as declarações prestadas pelos policiais como críveis até a prova em contrário, pois não teria sentido o Estado credenciar agentes para exercer o serviço público de repressão ao crime e garantir a segurança da sociedade e depois negar-lhe crédito quando fossem prestar contas acerca de suas tarefas no exercício da função [...]" (AC n. 2011.077929-5, rel. Des. Marli Mosimann Vargas, j. em 29.05.2012) (AC n. 0005146-55.2015.8.24.0033, rel. Des. Jorge Schaefer Martins, j. em 22.06.2017).

Ocorre que, nenhum fato desabonador é capaz de desacreditar os depoimentos prestados pelos agentes públicos, dado que os testemunhos encontraram-se harmônicos e não revelaram qualquer interesse pessoal ou malioso na incriminação dos réus, motivo pelo qual devem eles serem mantidos hígidos na comprovação do delito, até porque bem delineiam a empreendida que resultou na constatação do crime . O...