jusbrasil.com.br
21 de Maio de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJ-SC - Recurso Especial : 00171484020128240008 Blumenau 0017148-40.2012.8.24.0008 - Inteiro Teor

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ-SC__00171484020128240008_545e4.pdf
DOWNLOAD





Recurso Especial n. 0017148-40.2012.8.24.0008/50001, de Blumenau

Recorrente : Fabiano Martina da Silva
Advogados : Jorge Andre Ritzmann de Oliveira (OAB: 11985/SC) e outros
Recorrido : Ministério Público do Estado de Santa Catarina
Procs. de Just. : Fábio Strecker Schmitt (Procurador de Justiça) e outro

DECISÃO MONOCRÁTICA

Fabiano Martina da Silva, com fulcro no art. 105, III, a, da Constituição da Republica Federativa do Brasil de 1988, interpôs recurso especial contra os acórdãos da Quinta Câmara Criminal que, por unanimidade, decidiu: a) negar provimento à sua apelação, confirmando a condenação por infração ao art. 302, parágrafo único, II, da Lei n. 9.503/97 (fls. 168-175); e b) rejeitar os embargos de declaração (fls. 186-191).

Alegou negativa de vigência ao art. 41 do Código de Processo Penal (fls. 195-205).

Nas contrarrazões, o Ministério Público suscitou a preliminar de intempestividade do recurso (fls. 211-215).

Regularmente intimado sobre a suscitada intempestividade do apelo nobre (fl. 218), o recorrente ofereceu resposta (fls. 280-285).

É o relatório.

De plano, adianta-se que o recurso especial não reúne condições de ascender à Corte de destino.

Consabido que o prazo para interposição de recurso especial e extraordinário é comum de 15 (quinze) dias, conforme disposição do art. 1.003, § 5º, do Código de Processo Civil/15, o qual deve ser computado de forma contínua (art. 798 do Código de Processo Penal)- não se interrompendo por férias, domingo ou feriado - por se tratar de matéria processual penal.

Verifica-se que, mesmo após a vigência no NCPC, a contagem do prazo em matéria processual penal continua observando as regras inseridas no art. 798 do CPP, e não aquelas previstas no art. 219 do NCPC.

No caso, nota-se que a parte dispositiva do acórdão impugnado foi disponibilizada na edição n. 2956 do Diário da Justiça Eletrônico, considerada publicada no dia 28/11/2018 (quarta-feira), nos termos do art. , § 3º, da Lei n. 11.419/2006, conforme se infere da certidão de fl. 192, de modo que o prazo recursal iniciou-se em 29/11/2018 (quinta-feira) e esgotou-se em 13/12/2018 (quinta-feira).

Deste modo, considerando-se que o recurso especial foi protocolizado apenas em 19/12/2018 (quarta-feira - fl. 195), a respectiva interposição revela-se intempestiva.

Nesse sentido:

"PROCESSO PENAL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. INTEMPESTIVIDADE DO RECURSO ESPECIAL. AUSÊNCIA DE COMPROVAÇÃO DA OCORRÊNCIA DE RECESSO FORENSE NO ATO DE INTERPOSIÇÃO DO APELO. INTERPOSIÇÃO FORA DO PRAZO LEGAL DE 15 (QUINZE) DIAS. FORMA DE CONTAGEM. DIAS CORRIDOS. INCIDÊNCIA DO ART. 798 DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL. LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA. INAPLICABILIDADE DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. [...]

[...]

2. O prazo para interposição do recurso especial é de 15 (quinze) dias corridos, contados a partir da publicação do acórdão recorrido.

[...]

4. O acórdão recorrido foi publicado em 13/12/2016, entretanto, o recurso especial foi interposto somente em 12/1/2017, sem a comprovação da ocorrência da suspensão do prazo processual no ato da ...