jusbrasil.com.br
22 de Maio de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJ-SC - Apelação Cível : AC 00006787120128240124 Itá 0000678-71.2012.8.24.0124 - Inteiro Teor

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ-SC_AC_00006787120128240124_4b031.pdf
DOWNLOAD
TJ-SC_AC_00006787120128240124_7a7c9.rtf
DOWNLOAD





Apelação Cível n. 0000678-71.2012.8.24.0124, de Itá

Relator: Des. Álvaro Luiz Pereira de Andrade

APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO ANULATÓRIA DE COMPRA E VENDA. SENTENÇA DE IMPROCEDÊNCIA DO PEDIDO (CPC/1973, ART. 269, I).

CONTRARRAZÕES. AVENTADA OCORRÊNCIA DA PRESCRIÇÃO E FALTA DE INTERESSE DE AGIR. TESES NÃO CONHECIDAS. PREAMBULARES APRECIADAS MEDIANTE DECISÃO INTERLOCUTÓRIA, CONTRA A QUAL O APELADO NÃO SE INSURGIU A TEMPO E MODO DEVIDOS. PRECLUSÃO EVIDENCIADA.

IRRESIGNAÇÃO DA REQUERENTE. AVENTADA SIMULAÇÃO, ANTE A UTILIZAÇÃO DE INTERPOSTAS PESSOAS PARA BENEFICIAR DESCENDENTE. TESE REPELIDA. CABEDAL PROBATÓRIO QUE NÃO CORROBORA O ALEGADO. PROVA DOCUMENTAL QUE SE RESTRINGE AOS REGISTROS IMOBILIÁRIOS. SIMPLES MENÇÃO ÀS DATAS DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS. INSUFICIÊNCIA. OITIVA DE PARCELA DOS CORRÉUS. INTUITO DE FAVORECER UM DOS FILHOS DE DETERMINADO APELADO. INTELECÇÃO DO ART. 102 DO CÓDIGO CIVIL DE 1916 ENTÃO EM VOGA. NÃO COMPROVAÇÃO. ÔNUS PROBATÓRIO INOBSERVADO PELA APELANTE. EXEGESE DO ART. 333, I, DO CPC/1973.

SENTENÇA MANTIDA. RECURSO CONHECIDO E DESPROVIDO.

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação Cível n. 0000678-71.2012.8.24.0124, da comarca de Itá (Vara Única), em que é apelante Samanta de Souza Bonato e apelados Geni José Bonatto, Neusa Teresa Bonatto, Fernando José Bonatto, Idino Roque Dalle Laste, Silvani Dalle Laste, Adolfo Hiller e Adriane Fátima Hiller.

A 2ª Câmara de Enfrentamento de Acervos decidiu, por votação unânime, conhecer do recurso e negar-lhe provimento. Custas legais.

Participaram do julgamento, realizado nesta data, as Exmas. Sras. Desas. Haidée Denise Grin e Bettina Maria Maresch de Moura.

Florianópolis, 07 de março de 2019.

Álvaro Luiz Pereira de Andrade

PRESIDENTE E RELATOR


RELATÓRIO

Trata-se de recurso de apelação da sentença que julgou improcedente o pedido formulado em ação anulatória ajuizada por Samanta de Souza Bonatto em face de Geni José Bonatto, Neusa Teresa Bonatto, Fernando José Bonatto, Ivino Roque Dalle Laste, Silvani Dalle Laste, Adolfo Hiller e Adriane Fátima Hiller.

A requerente noticiou, inicialmente, o ajuizamento de ação de reconhecimento de paternidade em face do requerido Geni José Bonatto em 28/07/1994, cuja postulação julgou-se procedente. Não obstante, aduziu que o referido demandado e sua esposa simularam a compra e venda dos imóveis matriculados sob o n. 5.221 e 3.745 perante o Cartório de Registro de Imóveis da comarca de Seara, já que os alienaram primeiramente para os também requeridos Idino e Silvane Dalle Laste em 14/12/1998 (ditas pessoas interpostas), os quais, mediante procuração outorgada por Geni, venderam-nos para o filho daqueles e igualmente demandado Fernando José Bonatto em 19/05/1999. Este, segundo ainda afirmou, vendera-os para Adolfo Hiller e Adriane Fátima Hiller. Requereu, por fim, a procedência do pleito para anular as transações envolvendo as matrículas imobiliárias em comento, retornando o bem à titularidade de Geni e respectiva cônjuge. Alternativamente, pediu a resolução da controvérsia em perdas e danos "consistentes no valor dos imóveis ora inquinados de nulidade" (fl. 10).

Os requeridos apresentaram contestação (Fernando José Bonatto e Sibele Cardoso Alves Bonatto às fls. 114/138; Geni José Bonatto e Neusa Teresa Bonatto às fls. 180/191; Jaime Bonatto e Celeste Teresinha Bonatto às fls. 193/199 e Idino Roque Dalle Laste e Silvani Dalle Laste às fls. 201/206), ocasião na qual, entre outras teses, aventaram a regularidade dos negócios jurídicos, refutando a hipótese de simulação, haja vista a ulterior revenda para reassentados de determinada usina hidrelétrica, além das transações de Idino para Fernando envolverem uma parcela específica dos bens, e não a totalidade.

Reconhecida a ilegitimidade passiva de Sibele Cardoso Alves Bonatto e extinto parcialmente o processo sem resolução do mérito (fl. 260).

Inquiriu-se parte dos requeridos, na forma do art. 342 do CPC/1973.

O dispositivo combatido tem a seguinte redação, publicada a sentença em 24/02/2016:

Ante o exposto, com fundamento no art. 269, I, do CPC, JULGO IMPROCEDENTES os pedidos formulados por Samanta de Souza Bonatto em face de Geni José Bonatto, Neusa Teresa Bonatto, Fernando José Bonatto, Idino Roque Dalle Laste, Silvani Dalle Laste, Jaime Bonatto, Celeste Terezinha Bonatto, Adolfo Hiller e Adriane Fátima Camiski.

CONDENO a autora ao pagamento das custas e honorários advocatícios, que arbitro em R$ 2.000,00 para cada procurador, considerando a complexidade da matéria, local de prestação do serviço e tempo de duração da lide, nos termos do art. 20, § 4º, do CPC, obrigação suspensa por força do art. 12 da Lei n. 1.060/50.

Publique-se. Registre-se. Intimem-se (fl. 307).

A recorrente/demandante sustenta que, com supedâneo nos elementos de convicção, restou evidenciada a simulação havida para beneficiar o descendente de Geni, uma vez que os adquirentes Ivino e Silvane sequer ocuparam os bens. Expõe que, mediante procuração outorgada a Geni, o requerido em tela alienou-os para o filho Fernando em seguida, de modo a demonstrar o estratagema que pretende anular. Aventa que Idino vendeu o bem para Fernando "por valor parecido" com o da primeira transação, o que denota o "intuito de fraudar a lei" (fl. 315). Afinal, requer:

DIANTE DO EXPOSTO,

e invocando os suplementos jurídicos, sábios e justos dos eminentes Desembargadores, espera a APELANTE que a Egrégia Câmara dê provimento ao recurso, para julgar procedente a ação no sentido de anular o ato inquinado de nulidade em face a comprovada simulação bem como os atos posteriores, e em consequência fixar o valor dos honorários do patrono da Apelante para 20% sobre o valor da indenização atualizada, tudo por ser de direito e de JUSTIÇA (fl. 318).

As contrarrazões apresentadas por Fernando José Bonatto aplaudem a decisão recorrida, sustentando que: I) a compra e venda inicial ocorreu anteriormente à prolação da sentença nos autos da ação investigatória de paternidade; II) o negócio jurídico havido entre Idino e Fernando deu-se nove meses após a aquisição da área por aquele (dezembro de 1998), inclusive revendeu apenas parcela do bem - "aproximadamente 30% da sua parte ideal" (fl. 325) -; III) referido imóvel já estava "prometido" para terceiros, denotando a ausência de vantagem indevida ao descendente; IV) a requerente inobservou o ônus probatório que lhe incumbia; V) é direito do ascendente dispor livremente do seu patrimônio; VI) nessa ordem, a prescrição ao exercício do direito de ação, haja vista o ajuizamento da demanda somente após o decurso de 16 anos da compra e venda para terceiras pessoas (em 1999); VII) o nascimento da pretensão da recorrente apenas depois da abertura da sucessão; e, por fim, VIII) "a presente demanda deve se limitar a parte ideal transferida pelo Sr. Idino para Fernando" (fl. 326).

Os demais requeridos também contra-arrazoaram, aduzindo que os negócios jurídicos não se revestiram de simulação, além da recorrente não ter cumprido o disposto no art. 333, I, do CPC/1973.

É o relatório.

VOTO

A publicação da decisão recorrida precede a entrada em vigor da Lei 13.105/2015, ocorrida em 18-03-2016 (artigo 1.045).

Por tal razão, os requisitos de admissibilidade recursal hão de seguir a regulamentação preconizada pelo Código de Processo Civil de 1973, consoante o estabelecido no Enunciado Administrativo n. 2 do Superior Tribunal de Justiça, assim redigido:

Aos recursos interpostos com fundamento no CPC/1973 (relativos a decisões publicadas até 17 de março de 2016) devem ser exigidos os requisitos de admissibilidade na forma nele prevista, com as interpretações dadas, até então, pela jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça.

Presentes os respectivos pressupostos de admissibilidade, passa-se à análise do objeto recursal, antecedida da averiguação das objeções constantes do contra-arrazoado.

1 Das Contrarrazões

A propalada ocorrência da prescrição e da falta de interesse de agir restaram apreciadas pelo interlocutório de fls. 260/261, contra o qual o apelado Fernando José Bonatto não se insurgiu a tempo e modo devidos, ensejando, portanto, a preclusão da faculdade de alegar as preambulares, conquanto apreciáveis em qualquer tempo e grau de jurisdição. Aliás:

3. As preliminares de impossibilidade jurídica do pedido e falta de interesse processual devem ser rechaçadas. O pedido só é juridicamente impossível quando há vedação legal para que seja deduzido em Juízo. O interesse processual decorre da existência de direito sucessório da autora em relação aos bens do pai, Geni José Bonatto, o qual seria violado com a doação ao irmão de forma simulada.

(...)

6. O prazo prescricional de quatro anos previsto no art. 178, § 9º, inc. V, al. 'b', do Código Civil de 1916 somente começa a contar da abertura da sucessão do alienante ou do último ascendente (TJSC, AC n. 2011.091686-2, de Joaçaba, Des. Denise de Souza Luiz Francoski, j. 5/11/2013). No caso, a autora ajuizou a demanda antes do início da contagem do prazo, pois ainda não aberta a sucessão do genitor, razão pela qual se afasta a alegação de prescrição.

É inadmissível, assim, o ressurgimento ulterior da controvérsia, sob pena de haver discussão ad infinitum. Nesse sentido:

"Por ser matéria de ordem pública, a prescrição pode ser alegada a qualquer momento nas instâncias ordinárias. Entretanto, incidir...