jusbrasil.com.br
25 de Agosto de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJ-SC - Apelação Cível : AC 00015073120128240034 Itapiranga 0001507-31.2012.8.24.0034 - Inteiro Teor

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ-SC_AC_00015073120128240034_bc80b.pdf
DOWNLOAD
TJ-SC_AC_00015073120128240034_1d50c.rtf
DOWNLOAD




Apelação Cível n. 0001507-31.2012.8.24.0034, de Itapiranga

Relator: Des. Álvaro Luiz Pereira de Andrade

APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO COMINATÓRIA. EXTINÇÃO DO PROCESSO SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO (CPC/1973, ART. 267, VI). INSURGIMENTO DA REQUERENTE.

ADUZIDA LEGITIMIDADE ATIVA. TESE ACOLHIDA. ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE EMISSORAS DE RÁDIO E TELEVISÃO - ACAERT. OBJETIVO SOCIAL QUE NÃO SE CONFUNDE COM AS ATRIBUIÇÕES PERTENCENTES À AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL E AO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES (ANEXO DO DECRETO 2.615/1998, ARTS. E 10). CAUSA MADURA. IMEDIATO ENFRENTAMENTO DO MÉRITO (CPC/1973, ART. 515, § 3º). PRECEDENTES.

- "Autorizado pela Constituição da República de 1988 o ajuizamento de demandas por entidades associativas em substituição a seus associados (art. 5º, XXI), desde que autorizadas em seus atos constitutivos, e suscitadas pela associação legitimada possíveis interferências indevidas na prestação dos serviços de radiodifusão comunitária, não se pode obstar prematuramente o exercício do direito de ação, em respeito ao princípio constitucional da inafastabilidade da jurisdição (art. , XXXV, da CRFB/1988) e disposições dos arts. e 18 da Lei n. 9.612/1998" (TJSC, Apelação Cível n. 0006642-80.2012.8.24.0080, de Xanxerê, rel. Des. Luiz Felipe Schuch, Câmara Especial Regional de Chapecó, j. 26-2-2018).

- Havendo a possibilidade de imediato enfrentamento das preambulares remanescentes e do mérito, inexiste óbice para o tribunal de justiça, após reformar sentença terminativa, analisá-los em sequência, forte no art. 515, § 3º, do CPC/1973, que disciplina a teoria da causa madura.

PRELIMINARES PROCESSUAIS. IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO PEDIDO E AUSÊNCIA DE INTERESSE DE AGIR. IMPERTINÊNCIA. PEDIDO DE LIMITAÇÃO DO SINAL DA ANTENA TRANSMISSORA. PREVISÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO. ADEMAIS, NECESSIDADE E UTILIDADE DA TUTELA JURISDICIONAL. FISCALIZAÇÃO DE ATIVIDADE IRREGULAR PELA ASSOCIAÇÃO DE CLASSE. ESTATUTO. INAFASTABILIDADE DO CONTROLE JURISDICIONAL.

MÉRITO. VEICULAÇÃO DE PROPAGANDA COMERCIAL. VEDAÇÃO. RÁDIO COMUNITÁRIA. POSSIBILIDADE, TÃO SOMENTE, DE PROPAGAÇÃO DO APOIO CULTURAL RECEBIDO. REQUERIDA QUE MENCIONA EXPRESSAMENTE OS SERVIÇOS, PRODUTOS E OFERTAS DOS PATROCINADORES. PENALIDADE. MULTA.

- É vedada a veiculação de propaganda comercial pelas rádios comunitárias, disciplinadas pela Lei 9.612/1998, admitido tão somente o patrocínio sob a forma de apoio cultural (art. 18).

LIMITAÇÃO DO SINAL CONFERIDO PARA A ANTENA TRANSMISSORA (UM QUILÔMETRO). DIFUSÃO DA RÁDIO ALÉM DO PERMITIDO. AUSÊNCIA DE COMPROVAÇÃO. POSSIBILIDADE DE TRANSPOSIÇÃO DO REFERIDO LIMITE EM RAZÃO DE PECULIARIDADES GEOGRÁFICAS E URBANÍSTICAS.

- Além de não comprovada a transposição do limite de um quilômetro de cobertura da rádio (CPC/1973, art. 333, I), características geográficas e urbanísticas permitem a sobreposição da referida baliza, consoante o item 3.2.1 do Anexo à Portaria 462/2011 do Ministério das Comunicações - então em voga.

MANUTENÇÃO DE WEBSITE. IMPOSSIBILIDADE. ALCANCE INDETERMINADO MEDIANTE A DIFUSÃO DA PROGRAMAÇÃO NA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES. RESTRIÇÃO.

- A reprodução on-line da programação em website próprio da rádio comunitária conflita com a finalidade para a qual restou criada, a difusão sonora de baixa potência e cobertura restrita em localidade específica, haja vista a consecução de um número incontável de ouvintes na rede mundial de computadores.

CONTRARRAZÕES. SUSCITADA LITIGÂNCIA DE MÁ-FÉ. PROCEDER DE MODO TEMERÁRIO (CPC/1973, ART. 17, V). TESE NÃO ACOLHIDA. AUSÊNCIA DE CONDUTA IMPRUDENTE OU AUDACIOSA DA REQUERENTE.

- O reconhecimento da litigância de má-fé em decorrência de "proceder de modo temerário em qualquer incidente ou ato do processo" (CPC/1973, art. 17, V) imprescinde de conduta imprudente ou arriscada do litigante dito desleal, hipótese não verificada in casu, mormente se acolhido em parte os pleitos inaugurais.

SENTENÇA REFORMADA. RECURSO CONHECIDO E PARCIALMENTE PROVIDO.

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação Cível n. 0001507-31.2012.8.24.0034, da comarca de Itapiranga (Vara Única), em que é apelante Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão - ACAERT e apelada Associação Comunitária de Comunicação de Tunápolis.

A 2ª Câmara de Enfrentamento de Acervos decidiu, por votação unânime, conhecer do recurso e dar-lhe parcial provimento. Custas legais.

O julgamento, realizado nesta data, foi presidido pelo Exmo. Sr. Des. Helio David Vieira Figueira dos Santos, e dele participaram as Exmas. Sras. Desas. Haidée Denise Grin e Bettina Maria Maresch de Moura.

Florianópolis, 06 de dezembro de 2018.

Álvaro Luiz Pereira de Andrade

RELATOR


RELATÓRIO

Trata-se de recurso de apelação da sentença que extinguiu o processo sem resolução do mérito, acolhendo a prefacial processual de ilegitimidade ativa, forte no art. 267, VI, do CPC/1973.

A requerente afirma que a demandada atua de forma a contrariar os ditames da rádio comunitária, veiculando a programação na rede mundial de computadores e propaganda de cunho comercial, além de transpor o limite territorial permitido para a cobertura da atividade.

A requerida refuta a pretensão autoral, ao argumento de que, prefacialmente, a demandante carece de legitimidade ativa e interesse processual, bem como a petição inicial não se reveste de idoneidade, ensejando a sua rejeição. Quanto ao mérito, assevera que a autora não comprovou as suas alegações, além de não atuar além da legalidade.

Ouviu-se uma testemunha da parte requerida.

O dispositivo combatido tem a seguinte redação, publicada a decisao em 10/10/2013:

Diante do exposto, acolho a prefacial de ilegitimidade ativa arguida na contestação e, em consequência, com fundamento no art. 267, VI, do Código de Processo Civil, julgo extinta, sem resolução do mérito, a presente "ação cominatória com pedido de antecipação de tutela" proposta por ACAERT - Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão em face de Associação Comunitária de Comunicação de Tunápolis.

Por outro lado, revogo a decisão proferida às fls. 215-216.

Condeno a autora ao pagamento das despesas/custas processuais e honorários advocatícios em favor do procurador da ré, os quais fixo em R$ 5.000,00 (cinco mil reais), tendo em vista o bom trabalho desenvolvido, o número de audiência e o grau de complexidade/valor da causa (art. 20, § 4º, do CPC).

Publique-se. Registre-se. Intimem-se (fls. 340-verso/341).

A autora/recorrente argumenta que não questiona o exercício da radiodifusão, mas a maneira pela qual a apelada realiza a atividade de comunicação, diante das propagandas comerciais que efetua em contrariedade ao regramento legal.

Aduz que a recorrida extrapola o raio de cobertura de mil metros a partir da antena transmissora, definido pelo art. 6º do Regulamento anexo ao Decreto Federal 2.615/1982, acrescentando ainda o recebimento de apoio cultural além da comunidade atendida.

Contradiz a legitimidade ativa da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, para a qual incumbe a concessão ou outorga do serviço em comento, e não a fiscalização de conduta irregular de rádio comunitária, a exemplo do comportamento noticiado na petição inicial.

Caso não seja atendido o reclamo, pugna pela reforma do pronunciamento no tocante à verba honorária de sucumbência, porquanto excessivo o valor arbitrado, devendo ser atenuado para R$ 1.000,00, ante a ausência de complexidade da matéria.

Pede:

Assim, merece provimento o presente apelo, a fim de reformar a sentença a quo, determinando-se a competência da justiça comum para a apreciação da matéria trazida a juízo, ou, alternativamente para que o juízo de primeiro grau determine a remessa dos autos à Justiça Federal para a inclusão do Ministério das Comunicações e da Anatel no polo passivo da presente demanda, ou ainda, na remota hipótese de virem a ser superados os argumentos acima expostos, que determine-se a minoração dos honorários de sucumbência, nos padrões apontados (fl. 354-verso).

As contrarrazões aplaudem a decisão recorrida, sustentando a ilegitimidade ativa da recorrente, haja vista as atribuições dos órgãos de fiscalização para tanto, consoante o art. 22, parágrafo único, da Lei 9.472/1997. Aduz que a multa postulada implicará em enriquecimento indevido para a adversária, se imposta, além de eventual prejuízo imprescindir da devida comprovação. Expõem que, a variar a característica geográfica e urbanística, o sinal da emissora poderá ultrapassar o raio de um quilômetro. Por fim, afirmam a viabilidade de manutenção dos honorários advocatícios, como também o reconhecimento da litigância de má-fé da requerente.

É o suficiente relatório.

VOTO

A publicação da decisão recorrida precede a entrada em vigor da Lei 13.105/2015, ocorrida em 18-3-2016 (artigo 1.045).

Por tal razão, os requisitos de admissibilidade recursal hão de seguir a regulamentação preconizada pelo Código de Processo Civil de 1973, consoante o estabelecido no Enunciado Administrativo n. 2 do Superior Tribunal de Justiça, assim redigido:

Aos recursos interpostos com fundamento no CPC/1973 (relativos a decisões publicadas até 17 de março de 2016) devem ser exigidos os requisitos de admissibilidade na forma nele prevista, com as interpretações dadas, até então, pela jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça.

Presentes os respectivos pressupostos de admissibilidade, passa-se à análise do objeto recursal.

1 Do Recurso de Apelação

1.1 Da Legitimidade Ativa

Razão assiste à apelante.

De fato, o objetivo da actio não se assemelha com a atuação da ANATEL e do Ministério das Comunicações, em consonância com os arts. 21, XII, alínea a, e 223, ambos da CF, bem como os arts. e 10 do Anexo do Decreto 2.615/1998. Estes, a propósito, dispõem:

Art. 9º Compete ao Ministério das Comunicações:

I - estabelecer as normas complementares do RadCom, indicando os parâmetros técnicos de funcionamento das estações, bem como detalhando os procedimentos para expedição de autorização e licenciamento;

II - expedir ato de autorização para a execução do Serviço, observados os procedimentos estabelecidos na Lei nº 9.612, de 1998 e em norma complementar;

III - fiscalizar a execução do RadCom, em todo o território nacional, no que disser respeito ao conteúdo da programação, nos termos da legislação pertinente.

Art. 10. Compete à ANATEL:

I - designar, em nível nacional, para utilização do RadCom, um único e específico canal na faixa de freqüências do Serviço de Radiodifusão Sonora em Freqüência Modulada;

II - designar canal alternativo nas regiões onde houver impossibilidade técnica de uso do canal em nível nacional;

III - certificar os equipamentos de transmissão utilizados no RadCom;

IV - fiscalizar a execução do RadCom, em todo o território nacional, no que disser respeito ao uso do espectro radioelétrico.

Ao revés, a requerente fita o afastamento de prejuízos ocasionados pela requerida, haja vista o suposto exercício de atividade lucrativa em descompasso com o regramento aplicável. Aliás, é um dos seus objetivos sociais, nos moldes do Estatuto:

Representar seus associados judicial ou extrajudicialmente, pelo simples ato de filiação, junto aos órgãos federais, estaduais e municipais, legitimando-a com os poderes da cláusula "ad judice", perante o Poder Judiciário em todas as suas esferas (art. 1º, alínea c, fl. 46).

Sobre o assunto, arestos deste Sodalício:

APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO COMINATÓRIA COM PEDIDO DE ANTECIPAÇÃO DE TUTELA MOVIDA POR ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE EMISSORAS DE RÁDIO E TELEVISÃO (ACAERT) CONTRA RÁDIO COMUNITÁRIA. VEICULAÇÃO DE PROPAGANDA COMERCIAL, EXTRAPOLAÇÃO DO RAIO DE COBERTURA COM CAPTAÇÃO PUBLICITÁRIA E MANUTENÇÃO DE WEBSITE NA INTERNET. SENTENÇA DE PROCEDÊNCIA.

RECURSO DA RÁDIO COMUNITÁRIA. PRELIMINARES DE ILEGITIMIDADE ATIVA E AUSÊNCIA DE INTERESSE DE AGIR. INSUBSISTÊNCIA. ASSOCIAÇÃO DE RÁDIOS COMERCIAIS QUE POSSUI LEGITIMIDADE E INTERESSE PARA DISCUTIR, SOB A ALEGAÇÃO DE CONCORRÊNCIA DESLEAL, A POSSÍVEL VIOLAÇÃO DA EMISSORA DE RÁDIO COMUNITÁRIA ÀS NORMAS TÉCNICAS QUE LIMITAM O SEU FUNCIONAMENTO. PRELIMINARES AFASTADAS. (...) (Apelação Cível n. 0002930-62.2012.8.24.0022, de Curitibanos, rel. Des. Denise Volpato, Sexta Câmara de Direito Civil, j. 11-9-2018).

APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO COMINATÓRIA. RÁDIO COMUNITÁRIA. SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO. SENTENÇA DE EXTINÇÃO, NOS TERMOS DO ARTIGO 267, INCISO VI, DO CPC/73. AUSÊNCIA DE INTERESSE PROCESSUAL E LEGITIMIDADE ATIVA. RECURSO DA AUTORA.

(...)

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE EMISSORAS DE RÁDIO E TELEVISÃO (ACAERT). DEMANDA QUE OBJETIVA A PROTEÇÃO DOS INTERESSES DE SEUS ASSOCIADOS. SUPOSTA PRÁTICA DE CONCORRÊNCIA DESLEAL. PRETENSA LIMITAÇÃO AO RAIO DE COBERTURA DA TRANSMISSÃO E PROIBIÇÃO DE SE VEICULAR PROPAGANDA DE CUNHO COMERCIAL. LEGITIMIDADE ATIVA E INTERESSE DE AGIR RECONHECIDOS. ENTENDIMENTO PACIFICADO POR ESTA CORTE. (...) (Apelação Cível n. 0000975-55.2012.8.24.0067, de São Miguel do Oeste, rel. Des. Bettina Maria Maresch de Moura, Câmara Especial Regional de Chapecó, j. 12-3-2018).

APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO COMINATÓRIA. RÁDIO COMUNITÁRIA. SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO. SENTENÇA DE EXTINÇÃO, NOS TERMOS DO ARTIGO 267, INCISO VI, DO CPC/73. AUSÊNCIA DE INTERESSE PROCESSUAL E LEGITIMIDADE ATIVA. RECURSO DA AUTORA.

(...)

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE EMISSORAS DE RÁDIO E TELEVISÃO (ACAERT). DEMANDA QUE OBJETIVA A PROTEÇÃO DOS INTERESSES DE SEUS ASSOCIADOS. SUPOSTA PRÁTICA DE CONCORRÊNCIA DESLEAL. PRETENSA LIMITAÇÃO AO RAIO DE COBERTURA DA TRANSMISSÃO E PROIBIÇÃO DE SE VEICULAR PROPAGANDA DE CUNHO COMERCIAL. LEGITIMIDADE ATIVA E INTERESSE DE AGIR RECONHECIDOS. ENTENDIMENTO PACIFICADO POR ESTA CORTE. IMPOSSIBILIDADE DE APLICAÇÃO DA TEORIA DA CAUSA MADURA. NECESSIDADE DE DILAÇÃO PROBATÓRIA. RETORNO DOS AUTOS À ORIGEM PARA INSTRUÇÃO DO FEITO. SENTENÇA DESCONSTITUÍDA. (...) (Apelação Cível n. 0003083-13.2012.8.24.0017, de Dionísio Cerqueira, rel. Des. Bettina Maria Maresch de Moura, Câmara Especial Regional de Chapecó, j. 12-3-2018).

APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO COMINATÓRIA. SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO COMUNITÁRIA. SENTENÇA DE EXTINÇÃO DO PROCESSO POR AUSÊNCIA DE INTERESSE DE AGIR (ART. 267, VI, DO CPC/1973). IRRESIGNAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE EMISSORAS DE RÁDIO E TELEVISÃO (ACAERT).

PLEITO EXORDIAL QUE ALMEJA PROIBIÇÃO DE VEICULAÇÃO DE PROPAGANDA COMERCIAL E LIMITAÇÃO DO RAIO DE COBERTURA DA RÉ. ALEGAÇÃO DE SUPOSTA PRÁTICA DE CONCORRÊNCIA DESLEAL E IRREGULARIDADES NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSMISSÃO DE RADIODIFUSÃO. VIABILIDADE DA AÇÃO J...