jusbrasil.com.br
14 de Outubro de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJ-SC - Petição : PET 40280101620188240000 Navegantes 4028010-16.2018.8.24.0000 - Inteiro Teor

Tribunal de Justiça de Santa Catarina
há 10 meses
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ-SC_PET_40280101620188240000_fa0ac.pdf
DOWNLOAD
TJ-SC_PET_40280101620188240000_751de.rtf
DOWNLOAD



ESTADO DE SANTA CATARINA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA


Petição n. 4028010-16.2018.8.24.0000, de Navegantes

Relator: Desembargador José Everaldo Silva

RECLAMAÇÃO. AÇÃO PENAL PPRIVADA. INDEFERIMENTO DO PEDIDO DE JUSTIÇA GRATUITA. AUSÊNCIA DE FUNDAMENTAÇÃO NA DECISÃO E NÃO OPORTUNIZAÇÃO DE PRAZO PARA COMPROVAR CARÊNCIA DE RECURSOS. HIPOSSUFICIÊNCIA COMPROVADA NO RECURSO. INTELIGÊNCIA DOS ARTS. 99, § 2º E § 3º, CPC, C/C ART. , CPP E 32 DO MESMO DIPLOMA. RECLAMAÇÃO PROVIDA.

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Petição n. 4028010-16.2018.8.24.0000, da comarca de Navegantes Vara Criminal em que é/são Reclamante (s) Valdeci de Lima.

A Quarta Câmara Criminal decidiu, por votação unânime, conhecer da reclamação e dar-lhe provimento para deferir a justiça gratuita em favor do reclamante.

O julgamento, realizado nesta data, foi presidido pelo Exmo. Sr. Des. Alexandre d'Ivanenko, com voto, e dele participou o Exmo. Sr. Des. Zanini Fornerolli.

Funcionou como membro do Ministério Público o Exmo. Sr. Dr. Procurador de Justiça Gercino Gerson Gomes Neto.

Florianópolis, 6 de dezembro de 2018.

[assinado digitalmente]

Desembargador José Everaldo Silva

Relator


RELATÓRIO

Trata-se de agravo de instrumento recebido como reclamação criminal (arts. 579 do Código de Processo Penal c/c art. 243, § 2º do Regimento Interno do Tribunal de Justiça de Santa Catarina), conforme decisão de fls. 42-45, apresentada por Valdeci de Lima, contra decisão do juízo da Vara Criminal da Comarca de Navegantes que indeferiu o pedido de justiça gratuita formulado na Queixa Crime n. 0301355-82.2018.8.24.0135.

Alega o reclamante estar impossibilitado de arcar com as despesas processuais, inclusive para efeito de recurso, sem prejuízo do próprio sustento e do de sua família, pois sua renda mensal não ultrapassa 2 salários mínimos, conforme declaração de fl. 11.

Fulcrado nestes argumentos, pleiteia a dispensa do preparo, conforme art. 98 e seguintes do CPC, e a concessão da liminar para que seja suspensa a decisão que indeferiu o pedido de justiça gratuita até o julgamento do recurso, pugnando, no mérito, pela reforma da referida decisão para que seja deferido o pedido de justiça gratuita (fls. 1-10).

Deferido o pedido liminar e solicitadas informações (fls. 42-45), foram prestadas às fls. 47-49.

Lavrou parecer pela Douta Procuradoria-Geral de Justiça o Exmo. Sr. Dr. Ernani Dutra, opinando pelo conhecimento e provimento da reclamação.

Este é o relatório.


VOTO

Trata-se de reclamação criminal interposta por Valdeci de Lima, irresignado com a decisão que indeferiu pedido de justiça gratuita formulado na Queixa Crime n. 0301355-82.2018.8.24.0135, aduzindo em suas razões estar impossibilitado de arcar com as despesas processuais sem prejuízo do próprio ou de sua família, já que a renda do reclamante, destinada ao sustento próprio e da família, não ultrapassa dois salários mínimos e solicitando, com fulcro no art. 68 do Código de Processo Civil e no art. , inciso LXXIV da Constituição Federal, a reforma da r. decisão para que lhe seja concedido o benefício da justiça gratuita.

A reclamação merece provimento.

Ao pleitear a justiça gratuita perante o juízo de primeiro grau, o reclamante apresentou somente a declaração de hipossuficiência, tendo sido indeferido de plano o pedido.

A possibilidade de concessão da assistência judiciária gratuita nas ações penais privadas (queixa crime) está prevista no art. 32, caput e parágrafos, do Código de Processo Penal, que dispõe:

Art. 32. Nos crimes de ação privada, o juiz, a requerimento da parte que comprovar a sua pobreza, nomeará advogado para promover a ação penal.

§ 1o Considerar-se-á pobre a pessoa que não puder prover às despesas do processo, sem privar-se dos recursos indispensáveis ao próprio sustento ou da família.

§ 2o Será prova suficiente de pobreza o atestado da autoridade policial em cuja circunscrição residir o ofendido.

Certo é que, para a concessão da justiça gratuita, a...