jusbrasil.com.br
18 de Setembro de 2021
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJ-SC - Agravo : AGV 0500035-76.2013.8.24.0009 Bom Retiro 0500035-76.2013.8.24.0009

Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
Quinta Câmara de Direito Público
Julgamento
22 de Fevereiro de 2018
Relator
Hélio do Valle Pereira
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-SC_AGV_05000357620138240009_aa313.pdf
Inteiro TeorTJ-SC_AGV_05000357620138240009_fb4c3.rtf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

AGRAVO INTERNO - PENSÃO GRACIOSA - HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS DE 5% SOBRE O VALOR DA CONDENAÇÃO - MITIGAÇÃO DA LITERALIDADE DO ART. 85, § 3º, DO NCPC- EQUILÍBRIO ENTRE O TRABALHO DESENVOLVIDO E O ESTIPÊNDIO ADVOCATÍCIO - JUÍZO DE EQUIDADE PREVISTO NO ART. 85, § 8º, DO NCPCEXTENSÍVEL NÃO SÓ AOS CASOS EM QUE A HONORÁRIA SE REVELE ÍNFIMA, MAS TAMBÉM EXORBITANTE EM CONSIDERAÇÃO À NATUREZA DO FEITO - ASSISTENCIAL - RECURSO DESPROVIDO.

A base de cálculo dos honorários advocatícios é atualmente regida pelo art. 85do NCPC, que estipula que a verba em desfavor da Fazenda Pública deve ser medida a partir de relação percentual com o valor da causa ou condenação, excetuadas as hipóteses de valor inestimável ou resultado muito modesto (§ 8º). A rigor, o NCPCpreviu a apreciação equitativa do juiz para os casos em que a honorária se revele ínfima, mas curiosamente não resguardou o mesmo tratamento quando o valor apurado for exorbitante se comparado ao trabalho efetivamente prestado. Daí se retira que, mesmo tendo o novo ordenamento processual buscado, de um lado, harmonizar a definição da quantia devida aos advogados e, de outro, retirar do magistrado a autonomia que antes possuía para esse mister, remanescem situações, assim como esta, em que o juízo de equidade ainda se revela fundamental, a fim de impedir um ganho demasiado e, também, a dissonância que a nova legislação quis justamente evitar. No caso concreto, o pedido inicial é para que haja simplesmente a complementação das parcelas de benefício assistencial devido à parte autora. A matéria é pacífica neste Tribunal e não demanda trabalho significativo. Além disso, por envolver interesse de incapaz, a condenação se espraia por longo período, resultando, ao final, em quantia significativa. Conclui-se que o montante usualmente arbitrado por esta Corte (5%), sem onerar em demasia o ente público, bem remunera o profissional da advocacia, não se podendo taxá-lo de irrisório ou aviltante. Precedentes da 3ª Câmara de Direito Público deste Tribunal (em caso igual) e do STJ (em hipóteses parecidas). Recurso desprovido.
Disponível em: https://tj-sc.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/548686587/agravo-agv-5000357620138240009-bom-retiro-0500035-7620138240009

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça de Santa Catarina
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJ-SC - Apelação Cível : AC 0600215-71.2014.8.24.0072 Tijucas 0600215-71.2014.8.24.0072

ADMINISTRATIVO E CONSTITUCIONAL. PENSÃO GRACIOSA. PRESCRIÇÃO. AUTORA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA. INCAPACIDADE ABSOLUTA. ART. 3º, DO CÓDIGO CIVIL. PRESCRIÇÃO INTERROMPIDA. ART. 198, I, DO CC/02. DISPOSITIVO QUE SE APLICA TAMBÉM À FAZENDA PÚBLICA. PRECEDENTE DO STJ. O art. 3º do Código Civil consignou, expressamente, que é …