jusbrasil.com.br
29 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJ-SC - Agravo de Instrumento: AI 4011147-53.2016.8.24.0000 Capital 4011147-53.2016.8.24.0000 - Inteiro Teor

Detalhes da Jurisprudência
Processo
AI 4011147-53.2016.8.24.0000 Capital 4011147-53.2016.8.24.0000
Órgão Julgador
Câmara Civil Especial
Julgamento
2 de Junho de 2017
Relator
Rosane Portella Wolff
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-SC_AI_40111475320168240000_e5aea.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor



Agravo de Instrumento n. 4011147-53.2016.8.24.0000, Capital

Agravante : Elaine Aliatti
Advogado : Emerson de Morais Granado (OAB: 15145/SC)
Agravado : Instituto de Previdência do Estado de Santa Catarina - Iprev
Advogada : Melissa Aguiar Battisti Porto (OAB: 39676/SC)

Relator: Desembargadora Rosane Portella Wolff

Vistos etc.

Elaine Aliatti interpôs Agravo de Instrumento contra a decisão prolatada pelo magistrado Laudenir Fernando Petroncini, na ação Anulatória n. 0308065-37.2016.8.24.0023, proposta contra o Instituto de Previdência do Estado de Santa Catarina - IPREV, na 3ª Vara da Fazenda Pública da comarca da Capital, que indeferiu a liminar que visava a suspensão da exigibilidade do crédito tributário, bem como autorização para depósito da quantia incontroversa.

Nas razões recursais, defendeu, em síntese, que a teor do inciso V, do art. 151, do Código Tributário Nacional, é cabível a suspensão da exigibilidade do crédito tributário, no caso, uma vez que há evidência inequívoca da probabilidade do direito invocado.

Por fim, requereu a concessão liminar de antecipação da tutela recursal e, posteriormente, a sua confirmação.

É o necessário relato.

Presentes os pressupostos de admissibilidade, conhece-se do Recurso.

De acordo com a sistemática do Código de Processo Civil, aos recursos, em regra, atribui-se somente o efeito devolutivo.

Não obstante, preceitua o art. 1.019, inciso I, do mesmo Diploma que "recebido o agravo de instrumento no tribunal e distribuído imediatamente, se não for o caso de aplicação do art. 932, incisos III e IV, o relator, no prazo de 5 (cinco) dias: I - poderá atribuir efeito suspensivo ao recurso ou deferir, em antecipação de tutela, total ou parcialmente, a pretensão recursal, comunicando ao juiz sua decisão; [...]".

Todavia, a possibilidade de sobrestamento dos efeitos da decisão fica adstrita às hipóteses em que existir risco de prejuízo grave, de difícil ou impossível reparação, e em que for provável o acolhimento das teses recursais. É o que se extrai da dicção do art. 995 da aludida norma. Confira-se:

Art. 995. Os recursos não impedem a eficácia da decisão, salvo disposição legal ou decisão judicial em sentido diverso.

Parágrafo único. A eficácia da decisão recorrida poderá ser suspensa por decisão do relator, se da imediata produção de seus efeitos houver risco de dano grave, de difícil ou impossível reparação, e ficar demonstrada a probabilidade de provimento do recurso.

Assim, pela leitura conjunta dos dispositivos retro mencionado tem-se que, ao analisar o recurso de agravo de instrumento, o relator deve se pronunciar sobre eventual pedido de tutela em caráter antecipado, cujo deferimento ficará condicionado ao preenchimento dos requisitos apregoados no já mencionado art. 995.

Sobre o tema, esta Corte já decidiu que para suspender a exigibilidade de crédito tributário, mesmo no caso de aplicação do art. 151, V, do Código Tributário Nacional, se exige o depósito integral da dívida, como previsto no art. 38 da Lei de Execuções Fiscais, sob pena de, ao dispensar-se tal exigência (contida no inciso II da supra citada norma), violar-se, na prática, o art. 16, § 1º, da própria Lei de Execuções Fiscais, onde se faz imprescindível a garantia do juízo para a oposição de embargos do devedor com efeito suspensivo. Veja-se:

AÇÃO ANULATÓRIA. MULTA APLICADA PELO FISCO ESTADUAL. PEDIDO LIMINAR DE SUSPENDER A EXIGIBILIDADE DO CRÉDITO. CONDICIONAMENTO DA MEDIDA AO DEPÓSITO PRÉVIO DO VALOR CONTROVERTIDO. REGRA PREVISTA NO ART. 38 DA LEF E NO ART. 151, II, DO CTN. AUSÊNCIA DE PROVAS CAPAZES DE JUSTIFICAR TRATAMENTO EXCEPCIONAL. DECISÃO CORRETA. RECURSO A QUE SE NEGA PROVIMENTO.

"[...] é firme a jurisprudência do STJ no sentido de que, para que seja suspensa a exigibilidade de créditos tributários, o depósito deve ser feito na sua integralidade e em dinheiro, consoante o disposto no artigo 151, II, do CTN e a inteligência da Súmula 112/STJ: 'O depósito somente suspende a exigibilidade do crédito tributário se for integral e em dinheiro'" ( AgRg no AREsp n. 354.521/GO, rel. Min. Herman Benjamin, DJe 12-9-2013).

( Agravo de Instrumento n. 0142755-82.2015.8.24.0000, rel. Des. Jorge Luiz de Borba, j. 19-7-2016, grifou-se).

Ainda:

AGRAVO DE INSTRUMENTO. TRIBUTÁRIO. AÇÃO ANULATÓRIA DE DÉBITO FISCAL. ISS. DECISÃO QUE, EM ANTECIPAÇÃO DE TUTELA, DEFERIU A SUSPENSÃO DA EXIGIBILIDADE DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO. AUSÊNCIA DE PROVA NOS AUTOS DE QUE A EMPRESA ESTAVA FECHADA À ÉPOCA DA OCORRÊNCIA DOS FATOS GERADORES E CONSEQUENTEMENTE, DE VEROSSIMILHANÇA DAS ALEGAÇÕES. REQUISITO DO ART. 273 DO CPC/73 NÃO PREENCHIDOS. INVIABILIDADE DA SUSPENSÃO DA EXIGIBILIDADE DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO. INOBSERVÂNCIA, INCLUSIVE, AO DISPOSTO NO ART. 151, II, DO CTN, O QUAL EXIGE DEPÓSITO EM DINHEIRO. DECISÃO REFORMADA. RECURSO PROVIDO PARA NEGAR A ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA.

( Agravo de Instrumento n. 0135016-92.2014.8.24.0000, rel. Des. Francisco Oliveira Neto, j. 12-7-2016, destacou-se).

Ocorre que a Recorrente pleiteou o depósito somente da parte que entende ser controversa (fls. 18), inobservando, assim, a regra do art. 151, II, do Código Tributário Nacional e a inteligência da súmula 112 do Superior Tribunal de Justiça.

Assim, ausentes os pressupostos apregoados no art. 995, parágrafo único, do Código de Processo Civil, indefere-se a almejada antecipação da tutela recursal.

Intime-se o Agravado, nos termos do art. 1.019, incisos II, do Código de Processo Civil.

Após, redistribuam-se os autos, nos termos das regra regimentais.

Florianópolis, 29 de maio de 2017.

Desembargadora Rosane Portella Wolff

Relatora


Gabinete Desembargadora Rosane Portella Wolff


Disponível em: https://tj-sc.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/468115028/agravo-de-instrumento-ai-40111475320168240000-capital-4011147-5320168240000/inteiro-teor-468115086

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça de Santa Catarina
Jurisprudênciahá 6 anos

Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJ-SC - Agravo de Instrumento: AI 0142755-82.2015.8.24.0000 Içara 0142755-82.2015.8.24.0000

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 9 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AgRg no AREsp 354521 GO 2013/0176236-0

Tribunal de Justiça de Santa Catarina
Jurisprudênciahá 6 anos

Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJ-SC - Agravo de Instrumento: AI 0135016-92.2014.8.24.0000 Indaial 0135016-92.2014.8.24.0000