jusbrasil.com.br
29 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Detalhes da Jurisprudência

Processo

ED 71587 SC 2009.007158-7

Órgão Julgador

Segunda Câmara de Direito Público

Partes

Embargante: Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, Embargada: Luciane de Souza

Publicação

Embargos de Declaração em Reexame Necessário n. , de Blumenau

Julgamento

15 de Setembro de 2010

Relator

Cid Goulart

Documentos anexos

Inteiro TeorED_71587_SC_1300794709847.doc
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

Dados do Documento
Processo: Embargos de Declaração em Reexame Necessário nº
Relator: Cid Goulart
Data: 2010-09-15

Embargos de Declaração em Reexame Necessário n. , de Blumenau

Relator: Des. Cid Goulart

EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM REEXAME NECESSÁRIO - PRETEXTO PARA REDISCUSSÃO DA MATÉRIA - REJEIÇÃO QUE SE IMPÕE.

"O recurso de embargos de declaração descabe quando, a pretexto de esclarecer uma inocorrente contradição, obscuridade ou omissão do julgado, busca, ao final, rediscutir a matéria objeto da lide" . (Embargos de declaração no agravo de instrumento n. , da Capital. Relator: Des. Volnei Carlin, j. em 26.04.04).

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Embargos de Declaração em Reexame Necessário n. , da comarca de Blumenau (Vara da Fazenda Pública), em que é embargante Instituto Nacional do Seguro Social INSS, e embargada Luciane de Souza:

ACORDAM, em Segunda Câmara de Direito Público, por votação unânime, rejeitar os embargos de declaração. Custas legais.

RELATÓRIO

Trata-se de Embargos de Declaração em reexame necessário opostos pelo Instituto Nacional do Seguro Nacional - INSS em face do acórdão de fls. 67-72, que, nos autos da ação acidentária ajuizada por Luciane de Souza, deu provimento ao apelo, para determinar o restabelecimento do auxílio-doença, a partir da data da cessação do benefício na esfera administrativa, bem como condenar o réu ao pagamento das prestações atrasadas, em parcela única, corrigidas monetariamente pelo IGP-DI até agosto de 2006 e posteriormente pelo INPC, desde o vencimento de cada prestação, acrescidas de juro de mora de 1% ao mês, a contar da citação.

Aduz o embargante que após 30/06/2009 as parcelas em atraso não devem ser corrigidas INPC acrescidas de juros de 1% ao mês, mas sim pelos índices oficiais de remuneração básica e juros aplicados à caderneta de poupança, nos termos da Lei n. 9.494/97, na nova redação dada pela Lei 11.960/09. (fls. 75-81)

Busca, pois, com base no art. 535, I e II, do CPC, pronunciamento a respeito.

A Douta Procuradoria-Geral de Justiça, em parecer da lavra do Excelentíssima Senhora Procuradora de Justiça Doutora Hercília Regina Lemke, manifestou-se pelo conhecimento e desprovimento dos presentes embargos. (fls. 90-93).

É a síntese do essencial.

VOTO

Ex vi do art. 535, do Código de Processo Civil, os embargos de declaração objetivam sanar omissão, obscuridade ou contradição do julgado.

Nelson Nery Júnior e Rosa Maria Andrade Nery, a propósito, lecionam que "os embargos de declaração têm finalidade de completar a decisão ou, ainda, de aclará-la, dissipando obscuridades ou contradições" ( Código de Processo Civil Comentado . São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2001. p. 1040).

Contudo, ressalte-se desde já a impropriedade do presente recurso, pois todos os pontos em que restou sucumbente o embargante foram devidamente analisados. Busca, pois, rediscutir questões já examinadas no acórdão impugnado adaptando-as às suas convicções.

Ressalte-se "que não contém omissão o julgado que resolve explícita ou implicitamente as questões argüidas nos embargos declaratórios. Ademais, o órgão fracionário do Tribunal não precisa referir-se a todos os pontos da lide, se a decisão é proferida com base em argumentos suficientes para decidir a controvérsia (EDAC n. 97.000397-8, Rel. Des. Nelson Schaefer Martins)". (Embargos de Declaração em Agravo de Instrumento n. , Rel. Des. César Abreu).

Anote-se, apenas a título de esclarecimento, que a Lei 11.960, de 29.6.2009, trata, como averbado em sua ementa, de "uniformizar a atualização monetária e os juros incidentes sobre todas as condenações impostas à Fazenda Pública".

A partir de 1º/07/2009, data em que passou a viger aludida lei, que alterou o art. 1.º-F da Lei n.º 9.494/97, nas condenações impostas à Fazenda Pública, haverá a incidência, uma única vez, até o efetivo pagamento, dos índices oficiais de remuneração básica e juros aplicados à caderneta de poupança.

Impende salientar que a aplicabilidade da nova Lei, por ostentar natureza de direito material, deve ficar adstrita ao processos ajuizados a partir de 30.6.2009, data de sua publicação no Diário Oficial da União.

Destarte, a alteração trazida pela Lei n. 11.960/09 não se aplica ao caso, eis que a ação foi proposta em 14-04-2008.

A propósito do tema, já decidiu este Egrégio Tribunal:

EMBARGOS DECLARATÓRIOS EM APELAÇÃO CÍVEL. PLEITO PELA APLICABILIDADE DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA QUE UNIFORMIZOU OS CRITÉRIOS DE ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA E DE QUANTIFICAÇÃO DOS JUROS INCIDENTES SOBRE AS CONDENAÇÕES JUDICIAIS IMPOSTAS À FAZENDA PÚBLICA (LEI N. 11.960/09). NORMA DE DIREITO MATERIAL. IMPOSSIBILIDADE DE APLICAÇÃO IMEDIATA. INOCORRÊNCIA DE OMISSÃO. REJEIÇÃO DOS ACLARATÓRIOS.

O disposto no art. 1º-F da Lei n. 9.494/97, com a redação dada pela Lei n. 11.960/09, que versa sobre os critérios de atualização monetária e de aplicação dos juros incidentes sobre condenações impostas à Fazenda Pública, somente se faz aplicável aos processos aforados a partir de sua vigência (30.6.2009), por tratar-se de norma de direito material e não de direito processual (Embargos de declaração em Apelação Cível n. , de Campos Novos, rel. Des. João Henrique Blasi, 2ª Câmara de Direito Público, j. 25.03.2010).

EMBARGOS DE DECLARAÇÃO.ALEGAÇÃO DE OMISSÃO. JUROS DE MORA. MANUTENÇÃO DO PERCENTUAL DE 1% AO MÊS. PRECEDENTES. AUSÊNCIA DOS REQUESITOS DO ART. 535, CPC. REJEIÇÃO.

O Superior Tribunal de Justiça pacificou o entendimento de que, em se tratando de demandas previdenciárias, os juros moratórios devem ser fixados em 1% (um por cento) ao mês. Ademais, as alterações trazidas pela Lei 11.960/2009 são apenas aplicáveis as ações ajuizadas após a sua vigência (Embargos de Declaração em Apelação Cível n. , de Canoinhas, rel. Des. Subst. Ricardo Roesler, 2ª Câmara de Direito Público, j. 16.03.2010).

Embargos de declaração.Acessórios. Omissão inexistente.

A fixação dos juros de mora e dos índices da correção monetária obedece precisamente a norma de regência, vigente à época do ajuizamento da causa (Embargos de Declaração em Apelação Cível n. , de Videira, rela. Desa. Subst. Sônia Maria Schmitz, j. 10.03.2010).

Vê-se, assim, que o Embargante confunde o preceito recursal, pois pretende discutir o acerto ou não do decisum vergastado, não apontando, em verdade, qualquer lacuna, contradição ou obscuridade existente no julgado.

DECISÃO

Ante o exposto, nos termos do voto do relator, por votação unânime, rejeitaram os embargos de declaração.

O julgamento, realizado no dia 31 de agosto de 2010, foi presidido pelo Excelentíssimo Senhor Desembargador Cid Goulart, como voto, e dele participaram os Excelentíssimos Senhores Desembargadores Newton Janke e João Henrique Blasi.

Pela Douta Procuradoria-Geral de Justiça, lavrou parecer aExcelentíssima Senhora Procuradora de Justiça Doutora Hercília Regina Lemke.

Florianópolis, 1º de setembro de 2010.

Cid Goulart

Presidente e Relator


Gabinete Des. Cid Goulart



Disponível em: https://tj-sc.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/18464223/embargos-de-declaracao-em-reexame-necessario-ed-71587-sc-2009007158-7/inteiro-teor-18464224