jusbrasil.com.br
20 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Detalhes da Jurisprudência
Processo
AI 20110720395 Capital - Continente 2011.072039-5
Órgão Julgador
Terceira Câmara de Direito Comercial
Julgamento
8 de Março de 2012
Relator
Paulo Roberto Camargo Costa
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-SC_AI_20110720395_c8c64.rtf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor



Agravo de Instrumento n. 2011.072039-5, da Capital / Estreito

Relator: Des. Paulo Roberto Camargo Costa

AGRAVO DE INSTRUMENTO. EMBARGOS DE TERCEIROS. DECISÃO QUE INDEFERIU A CONCESSÃO DO BENEFÍCIO DA JUSTIÇA GRATUITA. AUSÊNCIA DE COMPROVAÇÃO DA REAL NECESSIDADE DA BENESSE. REJEIÇÃO DO PEDIDO. DECISÃO MANTIDA. RECURSO DESPROVIDO.

A presunção de hipossuficiência financeira para arcar com os ônus processuais, se torna relativa, se verificados indícios notórios ou plausíveis que suscitem dúvidas quanto à veracidade das alegações expendidas pelo beneficiário.

Conquanto tenha apresentado declaração de pobreza, o conjunto de informações obtidas com fulcro nos documentos carreados aos autos leva a conclusão diversa da hipossuficiência econômica.

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento n. 2011.072039-5, da comarca da Capital / Estreito (2ª Vara Cível), em que é agravante Salézio Zimermann, e agravado Thome Antunes Teixeira:

A Terceira Câmara de Direito Comercial decidiu, por votação unânime, conhecer do recurso e negar-lhe provimento. Custas legais.

Participaram do julgamento, realizado nesta data, com votos vencedores, os Exmos. Senhores Desembargadores Júlio César Knoll e Robson Luz Varella.

Florianópolis, 8 de março de 2012.

Paulo Roberto Camargo Costa

PRESIDENTE E Relator

RELATÓRIO

Salésio Zimermann interpôs Agravo de Instrumento, com pedido liminar, contra decisão do MM Juiz de Direito da 2ª Vara Cível da comarca da Capital/Estreito que, nos autos dos embargos de terceiros n. 032.11.001121-1 promovido por si contra Thome Antunes Teixeira, indeferiu o pedido de justiça gratuita formulado pelo Agravante.

Alegou sua hipossuficiênca econômica, motivo pelo qual pleiteou pela reforma da decisão para que lhe seja concedida a benesse da assistência judiciária gratuita. Pugnou pela atribuição do efeito suspensivo à decisão agravada.

O relator originário indeferiu o efeito almejado.

O Agravado não apresentou contraminuta.

Este é o relatório.

VOTO

Porque presentes os pressupostos de admissibilidade, conheço do recurso.

Pugna o Agravante pela concessão da assistência judiciária gratuita, sob o argumento de que não possui condições de arcar com as despesas do processo.

Destaco, inicialmente, que se trata de pedido de concessão do benefício da justiça gratuita pois o Agravado possui advogado constituído, não fazendo jus à assistência judiciária gratuita.

A Lei n. 1.060/50 estabelece que:

"Art. 4º. A parte gozará dos benefícios da assistência judiciária, mediante simples afirmação, na própria petição inicial, de que não está em condições de pagar as custas do processo e os honorários de advogado, sem prejuízo próprio ou de sua família.

§ 1º. Presume-se pobre, até prova em contrário, quem afirmar essa condição nos termos desta lei, sob pena de pagamento até o décuplo das custas judiciais".

Denota-se que a declaração unilateral de pobreza juntada à fl. 167, é meio de prova, conferido pelo próprio legislador, que detém cunho de veracidade para o deferimento do benefício.

Contudo, segundo posicionamento adotado por esta Câmara, a presunção de hipossuficiência financeira para arcar com os ônus processuais, se torna relativa, se verificados indícios notórios ou plausíveis que suscitem dúvidas quanto à veracidade das alegações expendidas pelo beneficiário.

Compulsando a documentação acostada aos autos, constato a ausência de pertinência da concessão da justiça gratuita.

Conquanto tenha apresentado declaração de pobreza, o conjunto de informações obtidas com fulcro nos documentos carreados aos autos leva a conclusão diversa da hipossuficiência econômica.

Isso porque,o Instrumento Particular de Retirada de Sócio da Empresa Acqualeve Aproveitamento de Recursos Naturais Ltda, firmado em 1º.09.2009 (fls. 26/31), e a 4º Alteração Contratual da sociedade empresarial Acqualeve - Aproveitamento de Recursos Naturais Ltda, assinado em 03.09.2009 (fls. 32/34), atestam que o Agravante, sócio da referida sociedade, proprietário da cota parte avaliada naquela oportunidade em R$ 2.050.000,00 (dois milhões e cinquenta mil), retirou-se da sociedade incorporando ao seu patrimônio o montante de R$ 1.321.213,49 (um milhão, trezentos e vinte um mil, duzentos e treze reais e quarenta e nove centavos) abatidos da sua cota parte 1/3 do passivo da empresa.

Com tal patrimônio, os indícios são firmes de que o Agravante não goza da hipossuficiência econômica-financeira a justificar a concessão do benefício.

Ademais, segundo consta do recibo de entrega da Declaração de Ajuste Anual, Ano-Calendário 2010, exercício 2011, a natureza da ocupação do Agravante é "proprietário de empresa ou de firma individual ou empregador titular", cuja ocupação principal é "gerente ou supervisor de empresa industrial, comercial ou prestadora de serviços". De tais informações, pode-se inferir que o Agravante possua rendimentos não apresentados em juízo.

Sobre o tema, lecionam NELSON NERY JUNIOR e ROSA MARIA DE ANDRADE NERY:

"O juiz da causa, valendo-se de critérios objetivos, pode entender que a natureza da ação movida pelo impetrante demonstra que ele possui porte econômico para suportar as despesas do processo. A declaração pura e simples do interessado, conquanto seja o único entrave burocrático que se exige para liberar o magistrado para decidir em favor do peticionário, não é prova inequívoca daquilo que ele afirma, nem obriga o juiz a se curvar aos seus dizeres se de outras provas e circunstâncias ficar evidenciado que o conceito de pobreza que a parte invoca não é aquele que justifica a concessão do privilégio. Cabe ao magistrado, livremente, fazer juízo de valor acerca do conceito do termo pobreza, deferindo ou não o benefício" (in Código de processo civil comentado e legislação processual civil extravagante em vigor, 11 ed., São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010, p. 1562).

Saliento que, em havendo modificação nas condições econômico-financeiras, poderá o Agravante pleitear pela benesse em grau de recurso, devendo ser efetiva a comprovação da mudança da situação econômica no momento da interposição do recurso.

"PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA. CONCESSÃO APÓS A PROLAÇÃO DA SENTENÇA. POSSIBILIDADE. EFEITOS EX NUNC.

1. O pedido de concessão da assistência judiciária pode ser formulado em qualquer momento processual. Como os efeitos da concessão são ex nunc, o eventual deferimento não implica modificação da sentença, pois a sucumbência somente será revista em caso de acolhimento do mérito de eventual recurso de apelação.

2. O princípio da"invariabilidade da sentença pelo juiz que a proferiu", veda a modificação da decisão pela autoridade judiciária que a prolatou, com base legal no artigo 463 do CPC, não impõe o afastamento do juiz da condução do feito, devendo o magistrado, portanto, exercer as demais atividades posteriores, contanto que não impliquem alteração do decidido na sentença.

3. Recurso especial parcialmente provido" ( REsp 904.289/MS, Rel. Ministro Luis Felipe Salomão, j. em 03/05/2011).

Assim, no presente momento, não há motivos que concorram para o deferimento do pedido de concessão do benefício da justiça gratuita, razão pela qual a sua rejeição é medida que se impõe.

Frente ao exposto, conheço do recurso e nego-lhe provimento.

Este é o voto.


Gabinete Des. Paulo Roberto Camargo Costa


Disponível em: https://tj-sc.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1100645499/agravo-de-instrumento-ai-20110720395-capital-continente-2011072039-5/inteiro-teor-1100645646

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 11 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 904289 MS 2006/0257290-2